Como escolher um monitor (ou TV) ?



Com a grande variedade de opções de monitores que temos por aí, muitos usuários ficam em dúvida de qual opção escolher. Enquanto a Escola de Hardware tenta ajudar os consumidores a entender melhor o que são e pra que servem as diferentes características dos produtos, preparamos este artigo pra ajudar mais diretamente na escolha de um monitor para jogar. É indicado assistir ao episódio da Escola de Hardware de Monitores antes de seguir em frente, então vamos incorporá-lo logo abaixo:


Monitor ou TV?

Atualmente, com a popularização do HDMI principalmente, tanto monitores como TVs têm sido usados no PC e consoles extensivamente. Mas qual é a melhor opção? Como sempre, depende.

TVs normalmente são maiores, vêm com caixas de som embutidas e, claro, contam com antenas para você assistir à programação normal. Monitores, por sua vez, costumam oferecer frequências maiores, tempos de resposta menores e serem mais acessíveis. Mas agora tudo está um pouco mais bagunçado, porque já encontramos TVs com boas frequências e monitores com caixas de som embutidas não são tão raros, por exemplo. Como escolher?

Vamos pelas características mais comuns.

TVs com frequências maiores, ou seja, que comportam um número maior de frames por segundo, são um pouco mais raras e geralmente mais caras. Por isso são mais recomendadas para quem não pretende jogar acima dos 60fps e mantém seu console ou PC na sala, pra aproveitar também as outras vantagens da TV.


Monitores geralmente são voltados para um uso mais pessoal, no quarto ou no escritório, oferecendo frequências um pouco maiores sem levantar tanto o preço, mais indicados pra quem quer passar dos 60fps, por exemplo, o que geralmente só é conseguido no PC. Vamos tentar resumir.

Prefira TV se você:

- Vai jogar na sala e/ou quer uma tela grande - Vai usar a tela pra assistir aos canais também - Não pretende jogar acima dos 60fps - Se contenta com conexões HDMI

Prefira Monitor se você:

- Vai jogar mais próximo da tela - Pretende assistir a apenas streaming - Pretende jogar acima dos 60fps - Precisa de conexões além do HDMI

IMPORTANTE: Um outro cuidado que você precisa ter com a TV é o "input lag", ou seja, o tempo que leva entre o sistema fazer um comando e ele efetivamente aparecer na tela. A maioria das televisões modernas tem um input lag tranquilo para jogadores casuais, mas o pessoal mais exigente pode acabar se estressando em alguns casos em que essa especificação seja mais lenta, especialmente em jogos online.

Lembramos que essas são só SUGESTÕES, linhas gerais de pensamento para ajudar a decidir baseadas nas opções mais comuns do mercado. É claro que existem TVs com frequências altas e monitores enormes, cada usuário precisa avaliar o seu caso e, claro, seu bolso. E também é importante levar em conta se é PC ou console, o que vamos discutir a seguir:

Como escolher um monitor pra console?

Para ficar mais didático, vamos separar por características o que você deve procurar num monitor quando joga no console:

- Proporção e Resolução

É importante lembrar que as fabricantes de console imaginam que seus produtos serão ligados em TVs e geralmente parte dessa lógica. Por isso, monitores na proporção, ou formato, Wide (16:9) são os mais indicados para jogar em consoles, que não são compatíveis com o formato UltraWide ainda (21:9).

Na parte da resolução, depende do seu vídeo game. Um monitor FullHD (1080p) está mais do que pronto para encarar o PS4, o Xbox One e o Switch, já que a maioria dos jogos nesses consoles mal chega nessa resolução. Quando falamos do PS4 Pro e do Xbox One X, no entanto, as coisas mudam um pouco.

Se você pretende comprar o XOne X, talvez valha a pena investir num monitor 4K, já que essa resolução nativa tem sido um dos principais atrativos do novo console. O PS4 Pro faz um 4K de upscale, ou usando o sistema "checkerboard", que não tem a mesma qualidade do 4K nativo, mas que pode agradar alguns usuários, que no caso também podem optar por um monitor 4K. De qualquer forma, um monitor acima dos 1080p é indicado para esses consoles.


- Frequência

A frequência do monitor também é conhecida como taxa de atualização, ou seja, ela determina quantas vezes por segundo a tela consegue atualizar as imagens que estão sendo mostradas. Isso é importante para mostrar todos os quadros por segundo que estão sendo gerados pelo vídeo game, ou seja, os famosos frames por segundo, "fps".

Qualquer monitor em torno dos 60 aos 75Hz está ótimo para os consoles. E neste caso não fazemos exceções para o PS4 Pro, nem para o poderoso Xbox One X.

Mesmo sendo o console mais potente já feito, o Xbox One X mira em texturas e resolução, então até seus jogos que rodam melhor não passam dos 60fps, tornando um monitor de 120Hz, por exemplo, algo desnecessário.

- Tempo de resposta

Não confundir com input lag (abaixo). O tempo de resposta é uma variável bastante complicada nos monitores. Em termos gerais, quanto menor o tempo de resposta, melhor. Ele se refere, simplificando muito, ao tempo que leva para um pixel alterar suas informações. Quanto menor esse tempo, melhor, menos borrada fica a imagem. Geralmente ele é indicado em "ms" e muitos "monitores gamer" contam com 5ms de tempo de resposta em média.

As coisas ficam mais complicadas porque muitas fabricantes usam critérios diferentes para calcular seu tempo de resposta a fim de obter números menores e chamar a atenção. O melhor mesmo, neste caso, é ver o modelo de monitor que você pretende comprar e pesquisar por comparativos e análises para saber se o tempo de resposta cumpre o prometido.

Essa variável é mais importante em jogos mais frenéticos, com muito movimento, especialmente com uma contagem maior de frames por segundo. Muitos gamers se sentem confortáveis com qualquer número abaixo dos 8ms, enquanto outros jogadores não aceitam mais do que 2ms.

Uma boa ferramenta para testar o framerate e o blur causado por baixos tempos de resposta do seu monitor é o UFO Test.

- Input Lag

Assim como dito por cima na parte da TV, o input lag é importante na hora de jogar porque games estão constantemente atualizando suas informações em tempo real e a tela precisa ser capaz de formar essas imagens tão rápido quanto possível. Para TVs essa variável pode acabar sendo muito grande, então precisa ser bem observada, mas em monitores que se consideram "gamer" já encontramos números bem melhores.

Pra quem joga mais na campanha ou de maneira menos competitiva, não há muito o que se preocupar com isso. Quem curte jogar online principalmente é importante ficar atento porque já vai ter o lag da conexão pra somar com o input lag do seu monitor então a situação pode ser piorada.


- Input/Output

Entradas e saídas do monitor. Pra jogar no console você não vai precisar de mais do que o HDMI, já que vídeo games não oferecem outro tipo de conexão para a imagem. Mas é importante atentar para alguns detalhes, principalmente na parte do som. O PS4 slim, por exemplo, só passa som pelo HDMI, então talvez seja uma boa procurar um monitor com caixas de som ou pelo menos uma saída de som nele para não precisar comprar um extrator de som do HDMI.

E pra quem tem mais de um console é uma boa procurar um monitor com mais de uma entrada pra facilitar a vida, é claro.

Como escolher um monitor pra PC?

- Proporção e Resolução

No PC o céu é o limite. Tudo vai depender do que seu hardware é capaz de oferecer e é isso que você precisa saber bem. O PC permite ainda colocar mais de um monitor ao mesmo tempo, algo que pode ajudar muito para quem usa o computador para trabalhar além de jogar. Claro que no uso cotidiano apenas do Windows e alguns programas, o estresse para a placa de vídeo vai ser pequeno. Mas, se você quiser jogar aproveitando também seus dois ou três monitores, tenha em mente que sua GPU vai estar renderizando o dobro ou o triplo dos gráficos, então leve em consideração se ela aguenta.

Uma outra opção bacana possibilitada pelos PCs são monitores UltraWide, na proporção de 21:9. Essas telas são mais compridas e já ajudam na produtividade como se fossem dois monitores. Quem estiver pensando em optar por um a solução dessas, no entanto, é importante notar que nem todo jogo oferece suporte e, alguns que dizem que oferecem, decepcionam bastante na prática. O formato está se popularizando e cada vez mais jogos vão suportá-lo, mas se você prefere games mais antigos, por exemplo, pode ser que raramente aproveite a proporção extra do seu monitor.

Também temos que destacar que esses monitores são cerca de 30% maiores que os 16:9, ou seja, um pouquinho mais exigentes da GPU (mas não muito). Só não se esqueça que, se sua placa já está "chorando" pra segurar aquele game em FullHD, colocar ele em FullHD 21:9

significa saltar de 1920 x 1080 para 2560 x 1080, o que pode gargalar no seu caso.


- Frequência

O princípio é o mesmo do que explicamos para os consoles, mas nos PCs, novamente, o céu é o limite. Um hardware mais poderoso pode oferecer ainda mais frames por segundo e aqui é importante ter um cuidado especial. Se o seu computador está rodando o jogo com muitos quadros por segundo e o seu monitor não consegue acompanhar, vai dar o famoso "tearing", artefatos na tela que parece que ela está "rasgando".

Como evitar essa situação fica ao gosto do freguês. Monitores com frequências mais rápidas (120Hz pra cima) costumam ser mais caros e você pode preferir economizar ligando o V-Sync nos jogos, que "segura" a performance da GPU para um número de quadros que o monitor aguenta. Mas aí você não estaria aproveitando o potencial do hardware.

Há também as opções do G-Sync e FreeSync, que explicamos em artigos separados (só clicar nos links). Nesses casos, no entanto, é importante destacar que eles são compatíveis exclusivamente com placas Nvidia e AMD, respectivamente, e que o G-Sync é uma tecnologia proprietária, então monitores com ela ficam bem mais caros.

Se você não pretende passar dos 60FPS, a média mais comum entre os jogadores do PC, a maioria dos monitores que se intitula "gamer" acompanhados do bom e velho V-Sync vão lhe atender sem grandes problemas.

- Tempo de resposta e Input Lag

Aqui vale basicamente o que já foi dito para os consoles, principalmente na parte de input lag. Uma única diferença aqui, se tanto, é que, com a possibilidade de rodar ainda mais quadros por segundo, tempos de resposta maiores podem se tornar mais perceptíveis, então essa variável fica mais importante pro pessoal que investe mais em hardware.

- Input/Output

O PC oferece mais opções de saída de vídeo para seus usuários, fazendo com que seja mais importante reparar nos tipos de conexão disponíveis no seu monitor.

Além do popular HDMI, sua placa de vídeo pode ter saídas DVI, DisplayPort ou a mais antiga VGA e você precisa conferir se o monitor conta com a conexão que pretende usar. Por sua praticidade e qualidade, o HDMI tem sido a escolha da maioria das pessoas, mas outra coisa que devemo notar é que ele tem versões.


A DisplayPort é a principal conexão a se notar aqui, uma vez que em alguns casos ela é necessária para usar o FreeSync(clique no link para saber mais). Se você conta com uma GPU AMD compatível e pretende usar o recurso, é só reparar se o monitor que você pretende comprar suporta FreeSync. Se vier assinalado que sim, com certeza ele vai contar com uma porta DisplayPort, usada para a tecnologia. DisplayPort também deve ser sua preferência em geral ao usar um PC por se tratar de uma conexão mais versátil em termos de resoluções e taxas de quadros suportados. Como já mencionamos no texto, o HDMI até suporta altas resoluções e taxas de quadros, porém é preciso ficar de olho na versão do HDMI usado para ter esse suporte.


Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square

FALE CONOSCO

Telefone

(31) 2535-4598

(31) 97508-2004

 

Endereço:

Rua Padre Francisco Scrizzi, 60 - Palmeiras 

CEP: 30570-525 - Belo Horizonte - MG - Brasil

              HORÁRIO DE

            FUNCIONAMENTO

               Segunda à Sexta:

               De 09 às 18 horas.

   Sábado                Agendamento

   Domingo             Fechado

   Feriado                Agendamento

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

        Formas de Pagamento

Crédito/Débito/Parcelamento